Projeto de Produto – Metodologia dos 4 Feedbacks com Infográfico

 

 

Projeto de Produto é um tema muito problemático, com diversas metodologias que em parte são divergentes entre si. A Metodologia dos 4 FeedBacks te ajudará a desenvolver novos produtos que tenham mais chances de se posicionarem no mercado. Esta nova metodologia foi criada durante minha monografia na pós-graduação. A ideia é que os designers, ou qualquer um que projete um produto, tenham mais chances de sucesso se baseando nas 4 etapas de feedbacks propostas aqui. Com ela o projeto de produto caminhará mais próximo das necessidades físicas e principalmente psicológicas do público alvo. Além do conteúdo neste artigo, disponibilizo o infográfico abaixo que criei para ajudá-los na Metodologia dos 4 FeedBacks.  (todos direitos reservados a Bruno Avila)

 

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Bruno Avila

 

IDEIA INICIAL

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Ideia Inicial

Formulação de uma ideia que servirá de guia para um possível projeto de produto. A ideia deve ser limitada como uma diretriz inicial para a realização de pesquisas mais aprofundadas. A intensão desta parte inicial é viabilizar e validar ideias de novos produtos que designers e empresas têm. Outra alternativa é iniciar o projeto sem a Ideia Inicial, partindo para a Pesquisa do Consumidor, para assim pontuar uma necessidade e com ela gerar a Ideia Inicial.

Exemplo: Uma marca de mobiliário quer desenvolver um novo banco, voltado ao público jovem. De acordo com a percepção de mercado da empresa, ela define um caminho inicial: banco em formato de fruta.

 

PESQUISA INICIAL DE DADOS

Com a ideia inicial definida, é o momento de validá-la para seguir a diante ou modifica-la para se adequar ao público alvo. A pesquisa de dados abrange todo o panorama em que envolve o projeto de produto, divididos em três tipos e na seguinte ordem: Pesquisa do Consumidor, Pesquisa Mercadológica e Pesquisa de Produção e Distribuição.

 

Pesquisa do Consumidor:

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Pesquisa Inicial de Dados

Nesta etapa da pesquisa de dados, o designer deve recolher o máximo de informações sobre os públicos alvos. Procurando definir qual o público específico a ser atingido. Deve-se pesquisar informações sobre a cultura, hábitos do dia-a-dia, poder aquisitivo, escolaridade, religião e/ou hábitos de consumo, entre outros fatores pertinentes ao projeto de produto. Depois de reunir as informações sobre o possível consumidor, deve-se refletir se a Ideia Inicial é válida ou não. Caso seja, inicia-se a Pesquisa Mercadológica, caso contrário, a Ideia Inicial deve ser repensada.

Pesquisa Mercadológica:

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Pesquisa Mercadológica

Com o público alvo definido e com a ideia inicial em mãos, deve-se consolidar o caminho fundamentando a escolha com dados mercadológicos. Portanto a empresa ou designer têm de estudar seus concorrentes, demanda de consumo, fornecedores, entre outros fatores pertinentes ao projeto de produto. Se a Ideia Inicial é viável mercadologicamente, segue-se para a Pesquisa de Produção e Distribuição. Caso ela se mostrou inviável devido a concorrência ou outros fatores, deve-se repensar a Ideia Inicial.

 

Pesquisa de Produção e Distribuição:

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Pesquisa de Produção e Distribuição

Com o público alvo definido e a Ideia Inicial viável mercadologicamente, é o momento de verificar se esta ideia é viável também na produção e na distribuição. Neste ponto deve-se estudar os meios de fabricação, maquinário, mão-de-obra, matéria-prima, fornecedores, parcerias, entre outros fatores pertinentes a realidade estrutural da empresa desenvolvedora do novo produto.

Depois desta Pesquisa de Dados, é comum que a Ideia Inicial tenha se modificado para se adaptar as reais necessidades do consumidor, posicionamento de mercado e viabilidade de produção. Com a Ideia Inicial mais estruturada e público alvo mais definido, é o momento de ter o primeiro contato direto com o consumidor para validar com mais precisão a sua Ideia Inicial.

 

1 – FEEDBACK CONCEITO

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Feedback Conceito

O Feedback Conceito é o primeiro contato direto com o público alvo, que fornecerá informações subjetivas e que não foram detectados na Pesquisa de Dados. Este relacionamento entre designer e consumidor é fundamental para que se extraiam detalhes imperceptíveis na pesquisa anterior. São informações relacionadas à cultura e na utilização do produto. Porém, no Feedback Conceito, as informações são superficiais devido ao estágio inicial do projeto de produto. A intenção nesta etapa é validar se a Ideia Inicial é ou não atrativa ao público e se haverá alterações na mesma.

Caso a Ideia Inicial seja validada, deve-se seguir para a próxima etapa. Se houver alterações observadas pelo contato com o público alvo, é necessário retornar a Pesquisa de Dados. Caso a Ideia Inicial não seja atrativa deve-se voltar ao início e repensa-la por completo.

O Feedback Conceito deve ser feito pelo método de Grupo Focal e com perguntas abertas, para que haja o máximo de liberdade nas respostas, pois nesse momento pouco se sabe sobre a validade da Ideia Inicial. É uma forma de “polir” a Ideia Inicial para que ela seja o máximo customizada para o público alvo. Os Grupos Focais são pesquisas coletivas e qualitativas que tem como foco compreender tendências, preferências, hábitos e percepções de um grupo. Algumas vantagens do Grupo Focal são: sinergia e interação entre os participantes, enriquecimento das respostas, flexibilidade, profundidade e qualidade nas verbalizações e expressões. Em contra partida, há algumas desvantagens no Grupo Focal: controle reduzido, não é um ambiente natural, opiniões serem influenciadas por um outro integrante, não gerar dados estatísticos e não integração de pessoas inibidas. A intensão do Grupo Focal é gerar uma discussão no grupo com perguntas abertas, consequentemente devem-se evitar perguntas que gerem respostas curtas.

Algumas dicas para a criação de um roteiro para a utilização da técnica de Grupo Focal:
• Evitar questões longas, complexas e que gerem respostas curtas;
• Deve-se começar com perguntas mais gerais para as mais específicas;
• Ordenar as perguntas conforme a sua relevância na pesquisa.

A maior eficácia está em encontros ao vivo, mas na necessidade de agilidade e economia de verba, pode-se explorar este contato de forma virtual, especificamente utilizando redes sociais. Para que haja maior eficiência online, o canal de contato deve conter grande fluxo de usuários com o perfil de consumidor definido anteriormente. Um exemplo seria criar ou fazer parceria com um blog popular sobre ciclismo, e através dele realizar uma discussão sobre um tema relacionado ao projeto de um produto. Esta discussão pode ser articulada diretamente ou indiretamente ao desenvolvimento do produto, exemplo seria um artigo sobre ciclismo em montanhas gerar um grande feedback sobre se há interesse ou não em algum produto relacionado ao assunto abordado. Esta é uma forma superficial, mas que em escala pode-se obter informações suficiente para validar ou não uma Ideia Inicial.

A Nike em sua Fã Page no Facebook, com 181.123 fãs, queria obter um Feedback sobre se havia interesse dos seus consumidores em ouvir músicas enquanto correm e quais seriam elas para assim montar um CD. Ela postou uma pergunta e em quatro horas obteve trinta e oito comentários, vinte e oito compartilhamentos e 125 pessoas curtiram o post. Veja abaixo parte desta pequena pesquisa.

 

PESQUISA INTERMEDIÁRIA DE DADOS

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Validação

A Ideia Inicial foi completamente validada nas etapas anteriores, foi verificado diversos aspectos que comprovaram a viabilidade e retorno de produzir um produto dentro desta ideia. A pesquisa intermediária de dados é a próxima etapa, onde começarão os estudos para desenvolver o pré-protótipo para uma nova realização de feedback.

Esta pesquisa deve suprir o projeto de produto com informações adicionais as que foram obtidas até então. Pode-se seguir novamente pelas três etapas da Pesquisa Inicial de Dados: Pesquisa do Consumidor, Pesquisa Mercadológica e Pesquisa de Produção e Distribuição. Não é obrigatório passar por todas estas etapas novamente, porém este roteiro ajudará a preencher pequenas lacunas antes da confecção do pré-protótipo. O designer deve ter sensibilidade para saber se deve aprofundar ou não algumas etapas.

 

IDEIA DETALHADA

Após a pesquisa anterior, o designer detalha a Ideia Inicial para assim criar o pré-protótipo.

Exemplo: Se a Ideia Inicial foi “banco em formato de fruta”, neste momento a Ideia Detalhada deve ser algo como “banco de plástico roto-moldado em formato de frutas típicas do Brasil, voltado a crianças e adolescentes, que seja versátil, leve e confortável”.

 

PRÉ-PROTÓTIPO

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Pesquisa de Dados Intermediária

Neste momento, o designer já possui informações suficientes para criar o que seria o Minimal Viable Product (MVP). Este termo é utilizado por uma metodologia de projeto das Startups chamada Customer Development que basicamente é criar um protótipo que contenha as funções mínimas principais básicas de um produto. Nesta Metodologia do 4 Feedbacks que propomos chamaremos de pré-protótipo, que traduz de forma precisa e é de conhecimento comum ao designer.

O designer deve reunir todo o conteúdo e gerar soluções visuais e funcionais, para testar se não houve ruído entre a informação emitida pelo consumidor no Feedback Conceito, ja assimilada pelo designer. Além disto, o consumidor ao ter contato com o pré-protótipo, terá uma maior experiência e com isso contribuirá de forma mais precisa e significativa. O ideal é que seja construído o maior número possível de pré-protótipos, pois assim potencializará a experiência do consumidor e gerará mais feedback.

Exemplo: Se a Ideia Detalhada foi “banco de plástico roto-moldado em formato de frutas típicas do Brasil, voltado a crianças e adolescentes, que seja versátil, leve e confortável”, o designer deve criar o maior tipo de pré-protótipos explorando o maior número de frutas, formatos, ergonomia, etc.

 

2 – FEEDBACK EXPERIÊNCIA

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Feedback Experiência

O Feedback Experiência é o segundo contato com o consumidor. O designer apresenta seus pré-protótipos e deixa os consumidores utilizarem e opinarem livremente sobre a experiência boa ou ruim em relação às opções fornecidas. A ideia neste momento é estimular comentários e obter críticas sobre o que pode adicionar, retirar ou mudar no produto. Não é uma etapa onde se executa apenas uma vez, possivelmente serão muitas vezes, pois o designer só avançará para a próxima etapa quando foi definido com exatidão um pré-protótipo a ser evoluído. Caso não esteja claro ou há modificações no pré-protótipo, deve-se retornar repetidas vezes a construção de novos pré-protótipos baseados no Feedback Experiência.

 

ANÁLISE TÉCNICA

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Análise Técnica

Após o Feedback Experiência, o designer deverá fazer uma análise técnica para saber se os feedbacks dos consumidores são viáveis na produção em escala. Caso um pré-protótipo for validado e ser viável a produção de um produto com base no caminho pontuado, deve-se iniciar a criação do protótipo, onde serão realizados os testes finais antes da produção e distribuição em escala.

 

PESQUISA PARA PROTOTIPAGEM

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Pesquisa para Prototipagem

Antes da construção do protótipo, deve-se realizar uma pesquisa e alguns testes para escolher as melhores opções de materiais, processos de fabricação, fornecedores, entre outros pontos. A intenção nesta etapa é preparar um protótipo já visando um planejamento de uma produção em escala, qualidade, estocagem, redução de custos etc.

PROTÓTIPO

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Protótipo

Com a pesquisa anterior, o designer tem dados suficientes para iniciar o protótipo. A ideia é focar na criação de um produto mais bem acabado possível, como se fosse o produto final que seria comercializado. Muitas empresas e designers consideram esta etapa como um produto acabado e já o comercializam, isso acaba gerando imprevistos tanto na parte de aceitação quanto na qualidade que pode gerar defeitos em uma utilização a médio prazo do produto. Depois do protótipo criado é o momento do terceiro contato com o consumidor, o Feedback Final.

 

3- FEEDBACK FINAL

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Feedback Final

O protótipo está pronto, totalmente acabado e funcionando perfeitamente. Perfeitamente? A resposta para essa pergunta este no Feedback Final. O ideal desta etapa é que o designer deixe o consumidor usar o máximo o produto, tanto presencialmente quanto a distância, colhendo feedbacks ao-vivo ou observações posteriores. O projeto de produto só deve seguir para a próxima etapa, se o protótipo estiver impecável e se os consumidores validaram todas as características, não havendo necessidade de qualquer tipo de alteração. Caso haja, deve-se refazer ou modificar o protótipo e realizar novamente o Feedback Final.

 

ESTRUTURAR FABRICAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Estruturar Fabricação e Distribuição

Com o protótipo final em mãos, é o momento de estruturar a fabricação e a distribuição. Todo o processo fabril, como matéria-prima, mão-de-obra, maquinário, estoque etc, deve ser planejado, juntamente com os meios de distribuição, como lojas, revendedores ou público final.

FABRICAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO

Depois de todo o planejamento anterior, inicia-se a produção em escala e a distribuição do novo produto. Mas esta não é a etapa final, ainda falta o quarto contato com o consumidor, o Feedback Contínuo.

 

4 – FEEDBACK CONTÍNUO

Projeto de Produto - Metodologia dos 4 Feedbacks - Feedback Contínuo

Com toda a produção e distribuição funcionando, onde o projeto de produto parece estar finalizado e apenas os assuntos administrativos parecem ter valor. É o momento da quarta interação com o consumidor. Este feedback tem a função de manter o produto e consequente a marca, competitivos no mercado, pois o mesmo pode se transformar com novas tendências. Outro ponto que torna o Feedback Contínuo muito importante, é que na fabricação, distribuição, vendas e utilização, ambos em escalas, geram uma enorme quantidade de imprevistos, dos quais podem ser melhorados e com isso manter um alto grau de qualidade e aceitação. Mas como pode se perceber, o Feedback Contínuo não é apenas com os consumidores, mas com todos que tem contato com o produto, tanto na fabricação e distribuição como na venda e na utilização. O Feedback Contínuo é o que manterá oproduto vivo e com toda a estrutura que o envolve, funcionando perfeitamente, reduzindo gastos e desperdícios. Esta etapa é eternamente cíclica, onde cada problema que surge, deve-se voltar à etapa Estruturar Fabricação e Distribuição. (todos direitos reservados a Bruno Avila)

Projeto de produto é um campo muito vasto. Porém espero que a Metodologia dos 4 Feedbacks que desenvolvi ao longo de meses lhe seja útil. Desejo a todos excelentes projetos e que seus produtosobtenham cada vez mais sucesso! Caso queiram entrar em contato segue meu e-mail logo abaixo. Até o próximo artigo!

Bruno Avila
Brav Design – Consultoria em Branding

contato@bravdesign.com.br

_____________________________________________________________________________________

REFERÊNCIA

ARNHEIM, RUDOLF. Arte & percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Pioneira, 1980.

BAXTER, MIKE. Projeto de produtos – Guia prático para o design de novos produtos. São Paulo: Edgard Blücher Ltda., 1995.

BENJAMIN, W. O Narrador. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 1983.

BERGER, J. Modos de Ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

BÜRDEK, BERNHARD E. História, teoria e prática do design de produtos. São Paulo: Edgar Blücher, 2006.

DUARTE, JORGE. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas, 2010.

FAAP. Iluminar. São Paulo: FAAP, 2004

FEATHERSTONE, MIKE. O Desmanche da Cultura. São Paulo: Studio Nobel : SESC, 1997.

FIDALGO, ANTÓNIO. Manual de Semiótica. Portugal: UBI, 2004.

GAGNEIN, JEANNE M. História e narração em Walter Benjamin. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1994.

MAFFESOLI, MICHEL. No fundo das aparências. Petrópolis, RJ: Vozes , 1996.

MANUAL da Statup. Disponível em:< http://www.manualdastartup.com.br/ > Acesso em: 10 out. 2011.

NORMAN, DONALD A. Design Emocional: por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

O’REILLY. Disponível em:< http://www.oreillynet.com/pub/au/3721> Acesso em: 10 out. 2011.

RAPAILLE, CLOTAIRE. O código cultural. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

RIES, AL. Posicionamento: a batalha pela sua mente. São Paulo: Pioneira, 1999.

STANFORD. Disponível em:<  http://soe.stanford.edu/research/layoutMSnE.php?sunetid=sblank> Acesso em: 10 out. 2011.

STARCK, PHILIPPE. Philippe Starck thinks deep on design. In: TED – Ideas worth spreadin, 2007. Disponível em: <http://www.ted.com/talks/lang/eng/philippe_starck_
thinks
_deep_on_design.html>. Acesso em: 10 mar. 2011.

 

 

 

dica-empreendedorismo-online